SORTE OU AZAR

Wilson M. Moura Ξ April, 28th 2020

Governo não é babá de ninguém! Numa sociedade civilizada, as soluções partem de ambos os lados: governo & população. Criamos e oficializamos sistemas de governos com governantes inconsequentes, porém a população é exorbitantemente irresponsável, pois elege incompetentes/inqualificáveis e não cumpre com sua parte. E o que é pior: lança mão de severas e cotidianas atitudes inconscientes e irracionais por intermédio de dúvidas e críticas negativas. Um verdadeiro desperdício de energia e tempo! Ah, mas isso a imprensa não explicita, não escreve e não fala: perderá audiência.

De fato, só nos movemos quando pisam em nossos pés, quando a desgraça impiedosa recai sobre todas as cabeças, mesmo assim sem qualquer senso de empatia, compaixão, inteligência emocional, integridade, interação, concentração meditativa, pensamento crítico, disciplina, conformidade, planejamento, organização e priorização. Poucos se movimentam para sanar os problemas alheios. É assim que as pessoas se manifestam, via de regra. Só nos movemos quando pisam em nossos pés.

A raça humana parece uma manada tresloucada de búfalos ou zebras, rompendo planícies sem qualquer bússola ou visão sistêmica. Pois é, uma manada capaz de planejar viagens a Marte, e incapaz de cessar a estatística de que alguém morre de fome no planeta a cada 4 segundos. Nesse ínterim, atropelam-se a si mesmos, esperneiam, reclamam, caem, mordem, morrem: não dão sentido à vida. Oh céus, oh vida, oh dor, oh azar!

Aí, ilogicamente, apelam para as religiões, que ao longo do tempo também se mostram inaptas de introduzir soluções de quietude mental estável. O sentido é, usualmente, de fora para dentro, quando deveria ser de dentro para fora. Invertemos os valores: ao invés de praticarmos a espiritualidade, pratica-se a religiosidade, cada qual com suas prepotentes ideologias, costumes e comportamentos; ou seja, nunca atingiremos resultantes exequíveis e sensatas, pois o egoísmo e a discórdia se fazem presentes, incessantemente.

Precisamos ter firme determinação, integridade e coragem para enfrentar nossas imperfeições: o nome do jogo chama-se delusão, sendo preciso entender com nitidez o seu significado, causas, modo de funcionamento e consequências. É claro que existe muita gente boa nesse mundo, com ideologias retas, porém não são significativas em relação ao todo.

Imaginemos que 1,8 bilhão de pessoas pratiquem valores, intenções, crenças e hábitos virtuosos. É gente pra caramba, certo? Mas devemos também notar que temos outras 6 bilhões de mentes inconscientes e sem qualquer habilidade de discernimento: dispersões, confusão mental, preguiça, letargia, desatenção, análise equivocada e complacência são fatores aflitivos predominantes, impedindo a disseminação da sensatez.

Teríamos 77% da população sem qualquer esboço de maturidade emocional e, consequentemente, sem tomadas de decisão coerentes e sadias. Basta efetuarmos um simples exercício: o planeta possui 205 Estados, sendo 193 filiados a ONU. Quantos líderes sensatos possuímos? Quantos países oferecem condições saudáveis de bem-estar social e distribuição de renda? Se você se exercitar não chegará ao percentual de 15%. Sorte ou azar?

Atenção, não estou efetuando um exercício de pessimismo, muito ao contrário. Exerço, sim, minhas habilidades de consciência, discernimento e concentração meditativa visando dimensionar as circunstâncias como estão. Sou um esperançoso realista: a esperança é a força motriz da vida. Entretanto, só existe evolução da consciência a partir da clara perspectiva situacional individual e coletiva, hábito não adotado pela maioria absoluta da população, desafortunadamente.

Mas, sempre nos restará o livre arbítrio de bradar Unus pro omnibus, omnes pro uno/Un pour tous, tous pour un! Sob o risco de ficarmos os próximos 100 anos tentando justificar os sentidos de nossas vidas na sorte ou no azar.

Wilson M. Moura

Contato para palestras: news@wilsonmmoura.com

Wilson M. Moura

Wilson M. Moura

Eu atuo como strategic thinker, palestrante, mentor e escritor, com o propósito de viabilizar pessoas e organizações a projetar estratégias de mentalidade de crescimento, maturidade emocional e a pacificação da mente, assim como otimizar metas e investimentos, vivenciar experiências transformadoras e de autorrealização.

Mais sobre mim
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn

Fator Zen - Um Convite à Paz Interior

Informe-se sobre o conteúdo do livro e receba-o em casa, autografado.

Deixe uma resposta