ERVAS DANINHAS

Wilson M. Moura Ξ October, 15th 2018

Que esplêndido exercício o de cuidar do jardim. Hoje estava contemplando as ervas daninhas, sempre presentes. Que praga maldita! Você cuida do jardim e ela volta, sem compaixão. Cresce por todos os lados e se expande ilimitadamente. É um fenômeno natural, extremamente complexo de ser tratado. Por isso, quando vou cuidar do jardim procuro cuidar da minha consciência, como meio de aprendizagem rumo ao discernimento.

Ao observar as ervas daninhas, lembrei-me de dois grandes ensinamentos: um, da revolução francesa em 1792, quando o líder jacobino Maximilien de Robespierre, brilhante advogado e político, nos ofereceu excelentes oportunidades de crescimento. Enquanto jurista e reformista, elaborou inúmeros textos proativos, criativos e inteligentes. Porém, posteriormente, assumiu um cargo político e aí, bem aí, pirou. Mandou decapitar quase todos os seus colegas jacobinos, numa gigantesca delusão de poder e sabedoria. Ah, estes políticos…

Daí, imediatamente lembrei das centenas de preciosos ensinamentos do nobre Mestre, Siddharta Gautama. Um deles particularmente emergiu: o tal do apego. Pois é, este tal de apego que detona uma série de sentimentos perturbadores como inveja, ciúme, ódio, avidez, cinismo, hipocrisia, egocentrismo, sarcasmo, malevolência, desventura, etc. Naquele momento, comecei a agradecer as ervas daninhas pois, de certa forma, elas me proporcionaram um belo momento de lucidez.

No meio do mato, enxada na mão, ancinho no chão, olhei para meus pés coloridos, numa mistura harmônica de terra, negritude e cores escurecidas. Foi como uma rápida centelha, percorrendo dos pés ao pensamento em segundos: as ervas daninhas estarão sempre ali, sempre dispostas a se manifestar. A grande lição é aprender como lidar com elas, tirando proveito das inúmeras formas de manifestação estúpidas e objetivas. Muitas vezes as pessoas, em qualquer país, em qualquer tempo, atuam como o lado estúpido das ervas daninhas. É impossível tentar extirpar o seu crescimento, seus apegos que só trazem sofrimento. Surgem como pequeninas ervas, quase que imperceptíveis, mas em pouquíssimo tempo, crescem, florescem indeterminadamente, tomando todo o jardim. O grande desafio que se apresenta é como desenvolver uma forma de extrair ensinamentos proveitosos dessas situações.

Niterói, 15 de outubro de 2018

Wilson M. Moura

Wilson M. Moura

Wilson M. Moura

Palestrante, escritor e mentor, especialista em tendências comportamentais.

Mais sobre mim
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn

Fator Zen - Um Convite à Paz Interior

Informe-se sobre o conteúdo do livro e receba-o em casa, autografado.

Deixe uma resposta