DECIFRANDO OS 23 ENIGMAS DA VIDA

Wilson M. Moura Ξ June, 9th 2019

A vida vai seguindo seu fluxo e, com ele, muitas dúvidas. Afinal, viver é um exercício de duvidar. Existem as dúvidas virtuosas, conectadas à criatividade, que nos levam a reflexões evolutivas, e as negativas, que trazem temores, medos e aflições, corroendo a esperança. A maioria das pessoas não sabem o que querem, resmungam ativamente, mas não se exercitam para conceber o que querem. Há uma significativa lacuna entre constatar, ponderar, compreender, assimilar e implementar novas ideologias e comportamentos.

São aspectos sutis e dependem de como nos direcionamos perante a vida. A realidade é que sempre temos a opção da escolha, mesmo que não consigamos enxergá-la. Podemos optar por viver a vida como uma oportunidade de crescimento, forma de aprendizado coerente e consciente, ou escolher uma visão niilista, simplesmente deixando a vida nos levar, como se o tempo fosse algo recuperável. De todo modo, é fundamental nos conscientizar que a sabedoria não é uma consequência automática que os anos nos trazem. É preciso desenvolvê-la de maneira consciente, introspectivamente, por meio da vontade, versatilidade e assertividade, estimulada por três probabilidades: o saber pela consciência, pela consequência ou renunciar à própria vontade, optando pela inércia e a preguiça.

Nas minhas práticas, venho coletando algumas meditações que me auxiliam, e muito, na maneira com a qual projeto minha visão de mundo e, ao mesmo tempo, lido com minhas limitações e frustações. Nessa perspectiva, resolvi escrever e compartilhar alguns temas que priorizei e moldei ao longo dos anos, que me impulsionam a desenvolver novas competências e me motivam a continuar trilhando o caminho do meio. É uma espécie de cartilha pessoal com 23 paradigmas, regras elementares da natureza, extremamente úteis para exercitar a memória ativa e a atenção plena.

Enfim, como dizia Beda, sábio monge anglo-saxão, há três caminhos para o fracasso: não perguntar o que se ignora, não ensinar o que se sabe, não praticar o que se ensina. Como não vejo o fracasso no meu horizonte, gostaria de compartilhar alguns enigmas que consegui decifrar. Então, mãos à obra:

– Todos os fenômenos são interdependentes: a vida é um equilíbrio entre os 5 Elementos Cosmo-físicos (Terra, Ar, Fogo, Água e Espaço), que se reciclam na natureza a cada instante, num processo de interação e integração codependente;

– Carma é a força motriz da natureza, o movimento perfeito que nos conecta à espontaneidade, espiritualidade e sabedoria, ou, à ausência deles. Tudo que nos acontece é meritório, pois vivemos um ciclo condicionado de causas, circunstâncias e consequências;

– Tudo é impermanente (cíclico), portanto não existe estabilidade;

– A vida é processual (vivemos de tarefas e processos) e probabilística (desejos não se realizam automaticamente);

– A mente é uma forma de energia, logo não possui início, meio e fim;

– A dor é inevitável, o sofrimento é opcional;

– A motivação é um instrumento pessoal e inalienável, portanto ninguém possui o poder de motivar alguém. Contudo, podemos mudar a própria cultura e servir de exemplo para que outros se motivem;

– O passado é uma condição de referência: não é um local de residência;

– A ignorância mental condicionada é a causa raiz do ciclo condicionado de sofrimento, produzindo delusões e visões equivocadas;

– A raiva é uma emoção que surge a partir a discórdia, que dispara a aversão: é a defesa automática dos nossos apegos e estruturas mentais condicionadas. O ódio é um sentimento, consequência da raiva, porém constante e consciente;

– Discórdias e brigas existem devido a sete aflições: paixões, raiva, ódio, orgulho, riqueza, poder e fama;

– O tempo é o único bem irrecuperável, portanto faça bom proveito dele;

– Só existem problemas quando desconhecemos os componentes da equação;

– Esperança é o pilar de desenvolvimento da vida, que aquece a alegria, a compaixão e o amor. Mas para que possamos conectá-la com as centelhas divinas, precisamos temperá-la com cinco outros ingredientes: consciência, discernimento, intenções, valores e razões de crença que façam sentido;

– A vida está sempre a nos ensinar, mas é preciso ser disciplinado, ter vontade e estar plenamente atento para transformar a ignorância em ações sábias;

– Espiritualidade é a arte de viver em paz, o nível de liberdade que se obtém em relação às próprias percepções;

– Paciência é a arte de constatar, aceitar, entender e transmutar os acontecimentos ao longo do tempo; é o pilar de sustentação da sabedoria;

– Fundamental é tudo aquilo que te leva ao essencial;

– A maturidade começa a florescer quando nos motivamos a entender as pequenas coisas, não quando desejamos grandes objetos;

– A felicidade é uma condição mental, pessoal e intrasferível, e não se relaciona com os objetos externos. Existem 7 aspectos imprescindíveis à felicidade: simplicidade, coerência entre o que você pensa, fala e faz, afeto, alegria, compaixão, amor e equanimidade;

– Espontaneidade ou livre-arbítrio é um modo hábil e natural de autodirecionamento, quando norteado por propósitos virtuosos. E deve se delinear pela escolha mais consciente;

– O multiverso é cerceado pela vacuidade, o espaço que tudo abrange;

– A morte é uma das poucas certezas que possuímos, portanto uma das ações mais sábias que podemos gerar é viver a vida como uma adequação para a morte, numa espécie de proficiência para as próximas experiências no continuum da mente.

Os anos voam e com eles vamos descobrindo que existem poucas certezas. Mas, afinal o que seria de nós sem direções para nos disciplinar e inspirar? É lógico que toda verdade é relativa, entretanto precisamos nos aproximar de contextos mais amplos, que indicam caminhos rumo à liberdade e espontaneidade de ação, visando desenvolver uma mentalidade de crescimento que nos suscite simplicidade e síntese. Quando compreendemos o processo natural do universo, e nos adequamos a ele, não precisamos mais produzir conceitos e julgamentos, já que passamos a fazer parte integral dele.

Niterói, 9 de junho de 2019

Wilson M. Moura

Wilson M. Moura

Educador, mentor, escritor e palestrante, especialista em inteligência emocional e intrapessoal.

Mais sobre mim
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn

Fator Zen - Um Convite à Paz Interior

Informe-se sobre o conteúdo do livro e receba-o em casa, autografado.

Deixe uma resposta